Grupo de Orações online

Que religião é a sua? (Devocional – 29-Fev)

“Todos os publicanos e pecadores estavam se reunindo para ouvi-lo. Mas os fariseus e os mestres da lei o criticavam: Este homem recebe pecadores e come com eles.” (Lucas 15.1-2)

Dev215O Evangelho de Lucas inicia o capítulo 15 assim. Um capítulo peculiar. Nele encontramos três parábolas em sequência: a parábola da ovelha perdida – eram cem ovelhas e uma se perdeu; a parábola da moeda perdida – eram dez moedas e uma se perdeu; e a parábola do filho pródigo, ou esbanjador – eram dois filhos e um abandona o pai. Nas duas primeiras Jesus destaca a alegria, a festa, pela recuperação do que se havia perdido. Na terceira os ingredientes são muitos. Há muitas lições. Mas em todas elas Jesus está respondendo a crítica dos fariseus e mestres da lei. Eles, a partir de uma mentalidade tipicamente religiosa, forjada por ritos, normas e leis, consideram inadequados os relacionamentos de Jesus. E Jesus ensina que sua forma de agir nada tem a ver com a lógica humana, a lógica religiosa, mas com a graça e o amor divino pelo perdido.

Não é lógico tanta festa por uma ovelha em cem que é recuperada ou por uma moeda em dez. Mas Jesus nos deixa a suspeita de que não se trata de uma em cem ou dez, mas de alguém que se arrependeu para ser salvo em comparação com muitos que não compreendem que precisam se arrepender (Lc 15.7). E isso sempre foi algo que distanciou os religiosos judeus de Jesus – eles foram incapazes de perceber os próprios pecados. Eles se consideravam resolvidos por causa de sua religiosidade e julgavam os que não eram como eles como indignos. Apegados a este modo de pensar, admiravam-se que Jesus não julgasse do mesmo jeito. Eles não entenderam a graça e o amor.

Como você compreende a relação de Deus com os seres humanos? Como você compreende a sua relação com Deus? Segundo Jesus ela só existe porque Deus nos amou e veio a nós (Jo 3.16-18). Não existe merecimento ou mérito em nós e nem jamais haverá (Ef 2.8-9). Jesus veio a nós buscar os perdidos e perdoar os pecadores (Lc 19.10). Este é o único tipo de ser humano com quem Ele se relaciona, pois não existe outro tipo. De várias maneiras nos perdemos de Deus e desperdiçamos o que Ele nos dá: tempo, talentos, oportunidades, recursos… Mas Ele insistentemente nos busca (Ap 3.20). Ele quer mudar nosso coração(Ez 36.26) e nos ensinar a agir neste mundo de um jeito novo (2Co 5.17), como Ele agiu e ainda age: com amor, graça e misericórdia. É assim que Seu Reino se manifesta entre nós. É essa a sua religião? É assim a sua vida de fé?