Grupo de Orações online

É preciso confiar e render-se (Devocional – 07 de Abril)

“Eles lhe disseram: Tudo o que temos aqui são cinco pães e dois peixes. Tragam-nos aqui para mim, disse ele.” (Mateus 14.17-18)

Gostamos de ter o suficiente. Na verdade, gostamos de ter além do suficiente. Gostamos de ter com sobras. Ter, neste mundo, é algo interessantíssimo e muito desejável. As pessoas respeitam mais rapidamente quem tem e portas se abrem mais facilmente para quem tem. Quem tem se diverte mais e pode fazer mais coisas e possuir mais coisas. Mas todo esse poder é uma grande ilusão. Não somos tudo isso que o ter às vezes diz que somos e, se nos deixamos iludir, passaremos a valer menos do que aquilo que temos. Não ter o suficiente é incômodo. Obriga-nos a diminuir a necessidade para tornar o que temos, suficiente. E este é um princípio importante para a vida financeira: estabelecer uma necessidade (padrão de vida) que seja menor do que nossas possibilidades (renda), priorizando corretamente os gastos (orçamento).

A questão diante da qual se viram os discípulos envolve o ter com algumas peculiaridades. Eles tinham muito pouco, mas bem distribuído, daria um pouquinho para cada um deles e para o Mestre. Em lugar de seguir essa lógica, Jesus havia aumentado a necessidade, a demanda. Disse que eles deveriam alimentar uma multidão com aquilo que tinham. Os discípulos se viram diante de uma missão muito maior do que seus recursos permitiriam cumprir. Disseram a Jesus: “Tudo que temos são cinco pães e dois peixes!”. Era o tamanho do orçamento! “Bem, então o melhor é realmente despedir a multidão!” Isso é o que eu diria. “Tragam-nos aqui para mim”. Isso foi o que Jesus disse. E eles fizeram o que Jesus disse. Aqui encontramos um princípio de vida para quem é discípulo de Cristo.

A vontade de Deus nos colocará em situação semelhante. Por exemplos: Como ama-Lo sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos? Nós, que tantas vezes amamos tão mal nosso cônjuge e nossos próprios familiares, como chegaremos a amar nossos inimigos e aqueles estranhos a nós? Devemos honrar a Deus em tudo, o que inclui nossos bens e talentos. Como ser um dizimista e ir além disso, dando ofertas se isso me deixará com menos dinheiro para as minhas coisas! Isso não é justo, afinal o que tenho e fruto do “meu” trabalho! “É, faz sentido!” Isso é o que eu penso. Mas todo dia e a cada mês permanece o que Jesus diz: “Tragam aqui para mim”. E aí chegamos ao princípio que precisamos aprender: Não nos veremos envolvidos no que Deus faz, a menos que deixemos tudo em Suas Mãos. E isso inclui a nós mesmos.