Grupo de Orações online

Contradição ao Evangelho (Devocional – 01 de Abril)

Não se achou nenhum que voltasse e desse louvor a Deus, a não ser este estrangeiro?” (Lucas 17.18)

A quem se esperava que voltasse, não voltou. Dos dez leprosos curados, somente um estrangeiro voltou, tendo a atitude correta. Os demais presentes no momento da súplica, provavelmente todos judeus, descendentes dos patriarcas, filhos de Abraão, faltaram ao momento gratidão e adoração. Diversas vezes Jesus destacou em seu ensino essa contradição. Ele disse aos fariseus, a elite religiosa judaica, que as prostitutas e os publicanos estavam entrando à frente deles no Reino de Deus (Mt 21.31). Em parábolas, muitas vezes, Jesus destacou a atitude correta dos “indignos que não conheciam a Deus” em contraposição às atitudes erradas do “povo de Deus, descendentes dos patriarcas”. Isso nos ensina que são as atitudes, o modo como reagimos à vida, que autentica nosso relacionamento com Deus.

Não se trata apenas de conhecer a Bíblia ou fazer parte  da igreja, de estar acostumado ao templo e usa atividades. Se diante da vida, dos acontecimentos, nossas atitudes frustram a expectativa de Cristo, que discípulos somos? Como no tempo de Jesus, ainda hoje, facilmente confundimos o fato de fazermos parte de uma igreja, de estarmos em conformidade com o que as pessoas da nossa igreja acham correto, com estarmos em conformidade com a vontade de Deus. Mas, quantas vezes, justamente nós, as pessoas de dentro da igreja, completamente acostumados e formatados por nossos hábitos religiosos, que nos vestimos, falamos e frequentamos os “lugares certos”, agimos em contradição ao Evangelho de Jesus. Protagonizamos contradições que deveríamos evitar.

Se somos bons nos ritos, mas ruins em relacionamentos; se sabemos nos comportar no templo, mas não agimos corretamente dentro de casa; se sabemos “falar com Deus”, mas não sabemos como falar com as pessoas a quem Deus tanto ama; se defendemos Deus e a Sua santidade (como se fosse necessário), mas atacamos pessoas e não respeitamos sua humanidade;  se valorizamos mais as doutrinas que aprendemos do que as pessoas por quem Jesus morreu… estamos agindo em contradição ao Evangelho. Crer em Jesus não é apenas “crer em Jesus”. É ser, pela fé em Jesus, um bom exemplo de quem ama a Deus, ama o semelhante e demonstra isso em suas atitudes.