Grupo de Orações online

A vida e o corpo, a comida e a roupa (Devocional Diária – 02-Dez)

“Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa?” (Mateus 6.25)

A vida e o corpo, a comida e a roupa, são figuras usadas por Jesus para separar o essencial do importante. O estilo de vida consumista e a pressão que os padrões de beleza e apresentação impõem, nos confundem. Isso reduz nosso bom senso e nossa gratidão, e eleva nossa ansiedade e nossa insatisfação. A comida e a roupa tornam-se mais importantes que a vida e o corpo. Nossa adoração e nosso testemunho como cristãos são afetados e enfraquecidos. O ter mais é poderoso e modela até mesmo as perspectivas religiosas de muitos: sua fé tem como alvo a prosperidade. Jamais pensam na benção do contentamento e no seu poder para equilibrar a vida. E assim, impensadamente, muitos, ricos e nem tão ricos assim, chegam a  um padrão de vida que os escraviza: acordam para trabalhar e pagar, e dormem sob o peso das dívidas. É fácil entrar nessa roda viva. Difícil é sair dela.

“Melhor é um pedaço de pão seco com paz e tranquilidade do que uma casa onde há banquetes, e muitas brigas.” (Pv 17.1) “É melhor ter pouco com retidão do que muito com injustiça.” (Pv 16.8) “É melhor ter pouco com o temor do Senhor do que grande riqueza com inquietação.” (Pv 15.16) Conselhos da sabedoria! Como cristãos, não pecamos por temos dinheiro e desfrutamos conforto. Mas pecamos pelo modo como o usamos. Pecamos se não vivemos com contentamento e gastamos insensatamente. Pecamos se abraçamos prioridades erradas aos olhos de Deus, comprometendo nosso dever de honrar a Deus e servir às pessoas com nossos bens. Devemos ter cuidado para que nossa alegria não se alimente do combustível do consumo e para que nossa religião não seja uma busca por prosperidade.

Como cristãos devemos nos matricular na escola do contentamento e celebrar a vida, as oportunidades e os relacionamentos. Devemos dizer “não” a um estilo de vida que esgota o que ganhamos, seja muito ou pouco. Devemos honrar a Deus com nossos dízimos e ofertas e manter uma reserva. Isso nos dará condições de servir mais aos propósitos de Deus. Nós, que tão pouco fazemos, devemos honrar a Deus com nossos bens e com os primeiros frutos de nossa renda. Não viva como um escravo do dinheiro, mas como servo de Cristo. Se está escravizado, lute para libertar-se, clame a Deus por socorro. Zele por sua saúde e cultive proximidade com sua família e amigos. Seja comprometido com sua igreja e pertença ao grupo dos que revelam contentamento e gratidão. Antes de uma nova dívida, avalie: você já não tem o bastante? Faça do Reino de Deus o seu tesouro pois, onde estiver o seu tesouro, lá estará seu coração. Palavras de Jesus.